A rotina na casa do administrador Gustavo Moura era de longas discussões para transformar sonhos em realidade. Nascido em uma família empresária, o hoje diretor executivo da Moura Construções é membro da 3ª geração da família Moura. Desde criança, pôde ver de perto como seu pai, tios e seu avós, os fundadores do Grupo Moura, Conceição e Edson Moura, tomavam as decisões que ditavam os rumos do negócio. Essa semente empreendedora resultou numa vida profissional rica, que levou Gustavo a atuar no mercado financeiro, transformar uma pequena empresa de serviços em player nacional e assumir os desafios de construir habitações populares com qualidade, fazendo o braço imobiliário do Grupo Moura crescer ano a ano em um momento desafiador da Economia brasileira.

“O diálogo em casa era muito transparente entre meus avós, pais, tios e nós netos, da 3ª geração. Nós acompanhávamos todas os desafios e dificuldades a serem superadas. Não tinha nada de ilusão. E, desde muito novos, fomos aprendendo a importância de ter valores sólidos e construir equipes. Por isso brinco que nunca precisei fazer teste vocacional. Sabia que se não fosse para ser esportista, já que minha outra paixão era o tênis, eu escolheria ser empresário”, lembra Gustavo.

Antes mesmo de passar uma temporada em São Paulo, onde estagiou em grandes bancos e internacionais, Gustavo já havia participado de uma empresa de marketing, especializada em mídia exterior. E havia servido ao Exército brasileiro, onde aprendeu ainda mais sobre disciplina, trabalho em equipe, respeito as regras, compromisso e capacidade de superação.

Após a passagem pelo mercado financeiro, recebeu o desafio de iniciar um novo negócio: a Movvera, empresa especializada em prestação de serviços em baterias tracionárias, que ainda estava em estágio embrionário. O resultado foi tão positivo que o então “patinho feio” no setor terminou sendo incorporado pelo Grupo Moura e serviu como inspiração para a criação da Rede de Serviços Moura (RSM).

Com 23 anos, Gustavo reuniu a experiência angariada no setor financeiro e aplicou o modelo único de gestão da Moura. Logo ganhou primeiro contrato com uma das maiores redes mundiais de varejo. Em pouco tempo, conquistou clientes de peso de diversos setores como montadoras, multinacionais fabricantes de máquinas e equipamentos, empresas de comunicação e produtoras de cosméticos. O negócio passou a agregar o serviço de gestão de salas de baterias, reuniu 200 funcionários e fechou contratos de longa duração.

“Criamos um novo produto: o aluguel de bateria. Era uma oportunidade, pois cliente não gostava de investir altas somas na aquisição do ativo. Estruturamos uma operação financeira, reduzimos a burocracia, e passamos a entregar as baterias prontas”, lista os diferenciais.

A jornada bem-sucedida na Movera capacitou Gustavo a encarar, em 2016, uma nova missão. A Moura Construções nasceu com o propósito de oferecer moradias de qualidade para famílias realizarem o sonho de terem sua casa própria. No entanto, o mercado imobiliário e de construção civil enfrentam há pelo menos cinco anos uma das maiores crises já vistas, o que atingiu em cheio o desempenho da empresa. Foi nesse momento adverso que Gustavo faria sua entrada formal no Grupo como diretor executivo, sendo o primeiro membro da 3ª geração da família a assumir um cargo de gestão dentro da Moura.

“Sempre gostei de sair de minha zona de conforto e, dessa vez, o desafio era muito diferente e bem maior. Precisava assumir um negócio que não entregava os resultados esperados e liderar uma virada. Além disso, me reconectar com a minha família empresária. Abracei a adversidade e pude montar um time apaixonado que vem fazendo a diferença”, destaca.

A equipe formada esbanjou e esbanja dedicação. Gustavo “importou” o robusto modelo de gestão aplicado pela Moura em suas operações industriais e com esses alicerces passou a injetar otimismo e motivação. “Todos os dias mostrava que era possível superar aquela agenda negativa e fazer a empresa dar a volta por cima”.

Em 2016, conseguiu comercializar 95 casas. No ano seguinte, já fechou 216 contratos – alta de 127%. Em 2018, o crescimento foi de 60%, sendo o grande ponto de virada da empresa, atingindo 90% da meta de volume de vendas pactuada. O esforço coletivo resultou no primeiro resultado positivo da Moura Construções. E já nos primeiros quatro meses de 2019, em mais um momento delicado para o mercado, ampliou em 20% as vendas frente ao mesmo período do ano passado.

“Temos crescido de forma muito consistente. E isso se deve a contarmos com as pessoas certas, no lugar certo. Temos uma equipe fantástica. O modelo de gestão está consolidado e conseguimos trazer a Cultura Empresarial Moura (CEM) para dentro da Moura Construções. Propósito, disciplina, persistência e foco no cliente. Essa é a receita”, revela Gustavo.

“Temos um mercado enorme a ser atendido. No Brasil são sete milhões de pessoas sem habitação digna ou sem teto. E a cada ano entram 1,5 milhão nessa triste estatística. Estamos em um momento propício para reinventar o negócio. Única certeza é que teremos que inovar, encontrar novos caminhos, novas soluções e novas oportunidades”, finaliza.