O Grupo Moura é a primeira indústria no Nordeste, com sede em Pernambuco, a se tornar um Operador Econômico Autorizado (OEA). A certificação, emitida exclusivamente pela Receita Federal do Brasil, atesta que a companhia é um importador de produtos e insumos confiável, seguro e eficiente para as autoridades aduaneiras do País.

 

Operacionalmente, isso significará menor tempo para desembaraço das mercadorias e menos custos com armazenagem, com liberações podendo acontecer antes mesmo dos navios atracarem nos portos de destino – o chamado despacho sobre águas.

 

O ganho de eficiência nas operações logísticas de importação permitirá ao Grupo Moura também reforçar seu controle de qualidade. “Desde 2018, intensificamos o trabalho interno para obter a certificação OEA. Isso exigiu que revisássemos nossos fluxos e processos de importação a fundo, unindo os times de Comércio Exterior, Tecnologia da Informação, Fiscal, Gestão de Pessoas, Centro de Distribuição e o despachante aduaneiro”, celebra o diretor de Logística e Suprimentos do Grupo Moura, Fernando Castelão.

 

São avaliados pela Receita Federal a gestão dos registros comerciais, a viabilidade financeira das operações da Moura e a transparência e cooperação na troca de informações com as autoridades aduaneiras. O controle de segurança das cargas, as ações de qualificação das equipes Moura e a gestão de risco desenvolvida para os processos de importação são outros pontos que foram reconhecidos como de excelência.

 

Agora como OEA, a Moura contará ainda com relacionamento privilegiado com as aduanas estrangeiras, usufruindo de acordo atuais e futuros que a Receita Federal venha a firmar. Terá participação também na formulação de propostas de aprimoramentos da legislação e de procedimentos aduaneiros.