Sendo uma espécie de “escuta do motor”, o sensor de detonação é uma peça fundamental para o funcionamento correto do veículo. 

Pensando em te ajudar a compreender melhor o seu modo de operação, quando é a hora certa de trocá-lo, quais os “sintomas” de que o mesmo está com defeito, bem como tirar outras dúvidas, preparamos o conteúdo a seguir. 

Continue a leitura para ficar por dentro de tudo!

Como funciona o sensor de detonação?

Localizado na parte externa do motor, o sensor de detonação, basicamente, funciona como um sensor de vibrações mecânicas. Ele tem a função de transformar as vibrações mecânicas do motor em relações elétricas capazes de serem interpretadas pela unidade de comando do veículo.

Ou seja, o sensor de detonação, a partir de uma análise por meio de cálculos matemáticos complexos, detecta ruídos oscilantes, os quais destoam daqueles considerados padrões no funcionamento do motor.

Então, por meio da detecção da presença dessa detonação, a unidade consegue identificar e separar a detonação das outras fontes de irrigações mecânicas presentes no motor, enviando a informação na forma de um sinal de tensão variável cujo valor depende da intensidade da vibração mecânica detectada.

Dessa forma, quando, de fato, há detonações no motor, o sinal de ignição do cilindro sofre um “retardamento” até que não haja a presença de nenhuma combustão detonante. Assim, o sensor de detonação evita que o motor sofra danos.

O que acontece se o sensor de detonação está ruim?

Como a função do sensor de detonação é “escutar” o barulho do motor, identificando a presença de ruídos oscilantes — os quais podem prejudicar o funcionamento do mesmo —, quando ele não está operando adequadamente, o funcionamento do veículo pode ficar comprometido, além de não ser possível ter uma garantia de que a combustão está acontecendo da forma correta.

Quando trocar o sensor de detonação?

sensor de detonação

Um dos sinais que indica que o sensor de detonação precisa ser trocado é o acionamento da luz da injeção no painel do carro

É necessário trocar o sensor de detonação quando o mesmo apresenta falhas, isso porque apenas fazer reparos não resolve o problema. Para identificar quando o sensor de detonação está ruim, há alguns “sintomas” muito comuns. Confira a seguir quais são eles a fim de saber quando é a hora certa de trocar a peça!

Sintomas de defeito:

  • Acionamento da luz da injeção: quando a luz da injeção está piscando no painel do carro, é um forte indicativo de que o sensor de detonação do seu veículo está com problema. Em alguns casos, a causa disso pode ser proveniente da utilização de combustível de má qualidade. Se esse for o caso, opte por abastecer o carro com gasolina de boa procedência. Caso contrário, é preciso fazer uma avaliação mecânica;
  • Emissão de sons pelo motor: outro sintoma comum de quando o sensor de detonação está com defeito é a emissão de barulhos pelo motor. Nesses casos, geralmente pode-se ouvir sons de batidas que vão aumentando de volume ao longo do tempo, o que, a longo prazo, pode danificar seriamente o motor. Assim que notar esse defeito, procure um especialista para repará-lo;
  • Vibrações e falha na ignição: se o seu automóvel constantemente sofre vibrações e falhas na ignição quando o motor é ligado, muito provavelmente há algum defeito no sensor de detonação do veículo;
  • Emissão de gases e odor de queimado: quando há detonação nos cilindros do motor, é possível que o mesmo emita gases de escape fortes e um odor de queimado;
  • Alto consumo de combustível: quando o sensor de detonação está apresentando defeitos, o uso de combustível aumenta. Isso porque as falhas na peça fazem com que o automóvel queime mais gás do que normalmente, sendo necessário reabastecer o veículo com uma frequência muito maior;
  • Problemas de aceleração: até mesmo acelerar pode ser difícil quando o sensor de detonação não está funcionando corretamente, acarretando problemas durante os aumentos de velocidade.

Qual o defeito do sensor de rotação?

Assim como as demais peças de um automóvel, o sensor de rotação pode apresentar alguns problemas já conhecidos. Entre eles, destacam-se: 

  • Falha na memória — quando há uma falha do sensor, há um código de falha gravado na memória do componente; 
  • Defeito no sensor de rotação do motor — causa uma parada abrupta do veículo; 
  • Problemas no sensor em relação à velocidade da roda (ABS) — neste caso, todo o sistema é desativado ou opera com defeitos. 

Quais os sintomas de defeito no sensor MAP?

Para saber se um sensor MAP —  importante sensor do sistema de injeção eletrônica do veículo — está com defeito, basta atentar-se para alguns sintomas, como:

  • Alterações na marcha-lenta do veículo;
  • Falhas no funcionamento do motor devido ao desequilíbrio entre combustível e ar (muito combustível e pouco ar ou pouco combustível e muito ar) — o que pode causar um odor de gás estranho;
  • Diminuição da economia de combustível do veículo (maior gasto de combustível);
  • Problemas de aceleração.

Gostou do conteúdo acima? Para mais informações a respeito do universo automotivo, acesse nosso blog e, se precisar trocar de bateria, já sabe, né? Acesse o nosso site e conte com os melhores produtos do mercado!