Blog

Carreiras

Blog
Moura
chevron-right

Como funciona um freio a tambor e quando fazer a revisão?

Dicas Moura

Como funciona um freio a tambor e quando fazer a revisão?

freio-a-tambor
Leitura:6 min
Compartilhe:compartilhe pelo whatsapp

Os freios a tambor estão presentes nos automóveis desde o século XX e, anteriormente aos freios a disco, eram os principais responsáveis pelo sistema de freios dos automóveis. E ainda que antigos, eles seguem presentes em ônibus, caminhões e veículos de passeio, principalmente pelo seu baixo custo. 

De toda forma, fazer a manutenção do sistema de freio a tambor é essencial para a segurança no trânsito, e claro, entender os detalhes sobre seu funcionamento e os primeiros sinais de que é necessário procurar assistência mecânica é um passo essencial. 

Quer entender mais sobre os freios a tambor e descobrir como manter a revisão em dia faz toda a diferença para uma condução segura? Continue a leitura para não perder nossas dicas.

O que é o sistema de freio a tambor?

O sistema de freio a tambor é relativamente simples: quando o pedal de freio é pressionado, o fluido de freio é forçado para dentro do cilindro de roda. Isso, por sua vez, empurra as sapatas de freio contra o tambor, criando atrito e, consequentemente, desacelerando o veículo. 

Os freios a tambor também são conhecidos por ter uma durabilidade menor que o freio a disco, mas é o seu baixo custo de fabricação e manutenção, o que os tornam uma escolha popular para muitos fabricantes de veículos. 

Todavia, é sempre bom lembrar que eles também têm suas desvantagens. Por exemplo, eles são mais propensos ao superaquecimento, o que pode levar à perda de eficiência de frenagem, um fenômeno conhecido como “fadiga de freio”. Além disso, eles são mais demorados para serem reparados em comparação com os freios a disco.

Qual a diferença entre freios a disco e a tambor?

Imagem de um freio a tambor instalado em um veículo, visível abaixo do corpo do carro. A tecnologia antiga continua popular devido ao seu custo reduzido, mostrando a roda metálica e o mecanismo de freio a tambor em detalhe.

Apesar de ser uma tecnologia mais antiga, sua eficácia e baixo custo ainda garantem a presença do freio a tambor em vários veículos.

Os freios a disco são um sistema mais atual de frenagem nos veículos. A principal diferença entre eles está nos mecanismos de cada um, que têm suas próprias vantagens e desvantagens. 

Enquanto nos freios a tambor a frenagem ocorre pela pressão das sapatas de freio contra a superfície interna do tambor rotativo, nos freios a disco essa frenagem acontece através da pressão das pastilhas de freio contra o disco rotativo. 

Quando acionado, este mecanismo de pinças aplica pressão sobre o disco de freio do veículo. Esta pressão cria uma força de atrito entre as pastilhas e o disco que, por fim, é responsável por reduzir a velocidade do automóvel ou, se necessário, fazê-lo parar completamente. 

Como funciona o sistema de freio a tambor?

Como mencionamos, o sistema de freio a tambor tem seu funcionamento iniciado no momento em que se aciona o pedal de freio, gerando pressão no fluido que, pressurizado, passa pelo sistema até chegar no cilindro de roda. 

Em seguida, são esses pistões do cilindro que empurram as sapatas de freio contra a parede interna do tambor giratório. É o contato entre as lonas de freio e o tambor que gera o atrito, que dissipa a energia do movimento e acaba reduzindo a velocidade do veículo. 

E quando acaba a frenagem?

Depois que o pedal de freio é liberado, as molas recolocam as sapatas na posição inicial. Por ser um sistema que conta com a atuação de diversas peças em conjunto, a manutenção preventiva dos freios a tambor é essencial para manter a sua segurança e a dos demais motoristas.

Confira a seguir quais são os problemas importantes para prestar atenção e que são evitáveis em uma boa manutenção preventiva.

Quais são os problemas mais comuns do freio a tambor?

Os problemas mais comuns do sistema de freios a tambor estão relacionados ao seu desgaste por conta do uso. A frequência com que isso acontece pode estar ligada à qualidade das peças, intensidade das frenagens e até do estado do fluido de freio. 

Desta forma, alguns dos problemas mais comuns incluem as seguintes condições para seu veículo:

  • Desgaste das lonas de freio: as lonas de freio são as peças que entram em contato direto com o tambor durante a frenagem, criando o atrito necessário para parar o veículo. Com o tempo e o uso contínuo, essas lonas podem se desgastar, reduzindo a eficácia da frenagem.
  • Empenamento do tambor: o tambor de freio pode empenar devido ao calor excessivo gerado durante a frenagem, especialmente se o veículo for frequentemente usado para frenagens bruscas ou em descidas íngremes.
  • Problemas no cilindro de roda: o cilindro de roda é uma parte crucial do sistema de freios a tambor, pois é responsável por empurrar as lonas de freio contra o tambor e pode sofrer com o desgaste mecânico.
  • Presença de ar no sistema: o ar nesse sistema pode aumentar o atrito e a deterioração das peças, por isso o sistema de freios deve ser totalmente preenchido com o fluido para funcionar corretamente.

Quanto tempo dura o freio a tambor e quando fazer a manutenção?

Mecânico em oficina automotiva removendo pneu de um carro para realizar a limpeza do freio a tambor.

A segurança no trânsito começa com a manutenção adequada. Cuidar bem dos freios a tambor pode ser decisivo para evitar acidentes!

Essa é uma pergunta que deve ser respondida com muito cuidado, já que não é tão simples por cada peça ter sua vida útil média diferente e que depende muito dos hábitos de frenagens do condutor. Além disso, ambientes com muita sujeira ou terra, por exemplo, podem acelerar seu desgaste.

 Por isso, tenha atenção com esses 2 principais pontos: 

  1. O mais indicado é que seja feita uma revisão a cada 5 mil quilômetros para um check-up completo no sistema de frenagem; 
  2. Já a troca do tambor é recomendada a cada 30 mil quilômetros.

 

Portanto, é importante ressaltar que a ajuda profissional deve ser procurada sempre que algum sinal de falha em seu sistema aparecer. Lembre-se que manter a revisão do veículo em dia diminui o risco de acidentes e torna sua direção ainda mais segura.

Gostou do conteúdo e quer explorar mais dicas automotivas para o seu veículo? Acompanhe o nosso blog e não perca nenhuma novidade!

 


Compartilhe:
compartilhe pelo whatsapp

Notícias relacionadas

Dicas Moura

CNH C: que é e passo a passo de como tirar!

Dirigir um veículo de carga é uma tarefa que exige habilidades específicas e, acima de tudo, a permissão correta: a...

Leitura: 0 min

Assine nossa newsletter

Moura

0800 701 2021

© 2024 - Acumuladores Moura S.A.

Todos os direitos reservados.Termos & Condições

A Moura

  • Sobre
  • Inovação
  • Cultura
  • Governança Corporativa
  • Certificações
  • Sustentabilidade

Carreiras

Serviços

Blog

Moura Fácil

Produtos